março 15, 2017

Consumo | Como fazer compras em lojas vintage

 
 
 
Um dos maiores objetivos de qualquer Consultora de Imagem é ensinar os seus clientes a resistir ao consumismo e a praticar um consumo mais consciente de forma a facilitar o processo de escolha todas as manhãs, deixar de ter um guarda-roupa a abarrotar de peças que não se usam e estimular a criatividade de cada um. Uma boa forma de praticar um consumo mais consciente é optar por fazer compras em lojas vintage. Se não sabe como tirar o melhor partido deste tipo de lojas, então este artigo é para si.
 
Porque deve comprar em lojas vintage?
1. Encontra peças de boa qualidade. Durante muito tempo, a ideia de comprar em lojas vintage apenas era associada a peças velhas, gastas e com um aspeto um pouco duvidoso. Hoje em dia, não é bem assim. A oferta tem vindo a melhorar bastante e cada vez mais se encontram peças de boa qualidade e com bons acabamentos.
 
2. Pratica um uso mais consciente do seu orçamento. Comprar peças de roupa usadas de marcas de qualidade fica sempre muito mais em conta que fazer a mesma compra numa loja normal. O orçamento destinado a compras rende muito mais porque se faz um uso mais consciente deste.
 
3. Aprende a fazer um bom uso da sua criatividade. Numa loja convencional é disponibilizada uma coleção completa com diferentes formas de conjugar determinadas peças. O que facilita, e muito, o processo de coordenação. Por outro lado, a miscelânea de peças disponível numa loja vintage permite-lhe treinar a sua criatividade e sair da sua zona de conforto. Isto porque começa a abrir horizontes e a ver e experimentar novas e diferentes conjugações o que lhe permite descobrir o que acrescenta valor à sua imagem e o que se adequa ou não ao seu estilo pessoal.
 
O que procurar?
1. Peças em bom estado de conservação. Sempre que uma peça de roupa tiver manchas, nódoas, borbotos, fios e/ou botões soltos ou buracos deve ser descartada por não se tratar de uma boa opção.
 
2. Bons materiais. A relação qualidade do material e preço da peça deve ser, sempre, justa.
 
3. Peças que não exijam ajustes ou que necessitem de pequenos ajustes. Assim como uma peça nova por vezes pede um qualquer tipo de ajuste. O mesmo pode acontecer com peças em segunda mão. O importante é perceber se o investimento que o arranjo pede compensa tendo em consideração o preço da peça.
 
4. Peças versáteis. Apenas deve trazer consigo peças que permitam, no mínimo, 3 coordenados diferentes com o que já existe no seu guarda-roupa.
 
5. Etiquetas com a informação nítida. Muitas peças exigem determinados cuidados durante a lavagem e com a secagem. Para garantir que não arruína a peça logo na primeira lavagem, certifique-se que a etiqueta  ainda tem todas as instruções de lavagem e secagem bem visíveis.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Obrigada pela vossa visita/comentário!