janeiro 30, 2017

A B C da Moda | O blazer

O blazer há muito que se tornou um básico na grande maioria dos guarda-roupas femininos. Oriundo do guarda-roupa masculino, rapidamente ganhou novos contornos e conquistou espaço no guarda-roupa feminino. É uma peça clássica e estruturada e que permite dotar qualquer coordenado de uma elegância extra sem muito esforço. Confere uma sofisticação instantânea a qualquer look. Até porque, hoje em dia, se encontram diversos modelos nas mais variadas cores e cortes de forma a assentar na perfeição nos diferentes biótipos e agradar aos mais variados gostos. A sua versatilidade é a sua melhor característica. Se não acredita, este artigo é para si.
 
O modelo ideal para cada biótipo
Biótipo Oval: o principal objetivo das detentoras deste tipo de corpo é criar a ilusão de uma cintura bem marcada. Pelo que a escolha deve recair em modelos bem cintados e com estrutura, tendo particular atenção ao seu comprimento que deve ultrapassar a zona da cintura.
 
Biótipo Coluna: o principal objetivo das detentoras deste tipo de corpo é, também, criar a ilusão de cintura bem marcada, visto que os ombros, a anca e a cintura são do mesmo tamanho. Pelo que a escolha deve recair em modelos cintados. Para ter a certeza que a cintura fica bem marcada pode optar pelo velho truque de usar um cinto por cima do blazer.
 
Biótipo Triângulo: o principal objetivo das detentoras deste tipo de corpo é criar a ilusão de ombros mais largos de forma a equilibrar a silhueta. Logo, a escolha deve recair em peças que não ultrapassem a zona da anca. Opte por modelos com ombros bem marcados e lapelas largas.
 
Biótipo Cone: o principal objetivo das detentoras deste tipo de corpo é disfarçar a largura dos ombros. Pelo que, a escolha deve recair em modelos em tons escuros e sem os ombros demasiado marcados. O objetivo é chamar a atenção para outras zonas do corpo.
 
Biótipo Ampulheta: o principal objetivo das detentoras deste tipo de corpo é evidenciar a cintura bem definida. Logo, a escolha deve recair em modelos cintados.
 
Como coordenar o blazer
Blazer + calça clássica: é a coordenação mais clássica, o que não invalida que o resultado não seja interessante e moderno. Para modernizar o look opte por investir em blazers com cores diferentes, usar o blazer numa cor diferente das calças e arriscar nos acessórios.

 

 


 
Blazer + ganga: a ganga permite criar coordenados mais casuais sem perder o interesse. Para dar aos coordenados um ar mais sofisticado pode optar por jeans de lavagens escuras e corte direito conjugados com peças mais delicadas e femininas.

 

 


 
Blazer + calções: a combinação resulta num look bastante descontraído e feminino, embora resulte melhor em mulheres com pernas finas. Para um coordenado mais sofisticado pode optar por blazers longos, tendo o cuidado de não ultrapassar o comprimento dos calções.

 

 

 
 
Blazer +  saia/vestido: é a conjugação mais feminina de todas. Permite a criação de looks bem delicados e românticos, desde que o comprimento do blazer não ultrapasse a zona da anca. É uma combinação que pode ser usada em qualquer estação do ano.

 

 

 
 

janeiro 27, 2017

Opinião | Protetor solar de rosto Anthelios AC [La Roche Posay]




A proteção solar há muito que é uma constante na minha rotina diária de cuidados com a pele. Sendo que cada vez mais simplifico a minha rotina de cuidados com a pele. Se há passo do qual não abdico é a proteção. Nomeadamente a solar. Já muito se falou sobre os efeitos nocivos do excesso de exposição solar. E se queremos chegar a uma certa idade com uma pele aceitável é OBRIGATÓRIA a utilização diária de um bom protetor solar.
O da imagem foi o último a terminar. E a verdade é que não sei se gostei realmente ou não dos resultados na minha pele...
  • Tem uma textura bastante fluida o que facilita a sua aplicação.
  • É importante ter em atenção a quantidade que se utiliza, sob pena de ficarmos com rosto todo branco. Consequência tão característica de muitos protetores solares.
  • Apesar de ser um produto matificante, a minha pele não produziu menos oleosidade.
  • É um produto que dura imenso tempo.
  • Não é um produto caro, tendo em consideração o facto de ser um protetor solar que apenas se encontra disponível em farmácias e parafarmácias.
  • Ajuda a disfarçar e a reduzir as manchas de borbulhas.

janeiro 26, 2017

Opinião | Gel de higiene íntima [Lactacyd]



O cuidado com a higiene íntima deve ser diário. E, infelizmente, ainda são muitas as mulheres que o descuram. E, tantas vezes, é tão simples como usar produtos específicos. Cá por casa desde sempre que temos esse cuidado. E os resultados têm sido muito positivos. O último produto a terminar foi o da imagem. E já é um favorito há muito muito tempo...
  • É um produto bastante suave que respeita a zona íntima.
  • Tem um aroma muito suave.
  • Não tem sabão na sua composição.
  • A embalagem em tamanho familiar e com doseador impede o desperdício de produto.
  • Dura imenso tempo.
  • É um pouco caro mas a relação qualidade/preço compensa bastante.

janeiro 25, 2017

Opinião | Hidratante de mãos de glicerina Herbacin [Celeiro]


 



A pele das mãos é das primeiras a sofrer devido ao passar dos anos. Aos produtos que se utilizam. Aos cuidados que, muitas vezes, não se têm... A verdade é que se não se tiver cuidado facilmente as nossas mãos sofrem com isso e mostram os efeitos. As minhas mãos (e dedos!) sempre foram bastante elogiadas por serem muito bonitas. Modéstia à parte. E manter a sua hidratação é, para mim, muito importante. O último hidratante a ser testado foi o da imagem. E sinceramente não sei se gostei ou não...
  • É de muito fácil aplicação.
  • É de rápida absorção.
  • É hidratante q.b. Apesar de apenas ver resultados mesmo eficazes quando o reaplico com frequência ao longo do dia.
  • Tem um aroma suave que é simplesmente delicioso.
  • Não é um produto caro.
  • Dura bastante tempo.
  • É um produto natural, o que é sempre um ponto a favor.
  • A embalagem permite gastar o produto completamente.
Por aí já conhecem este hidratante? Qual é a vossa opinião?

janeiro 24, 2017

Opinião | Hidratante labial de manteiga de karité





 

Este produto foi totalmente revisado pela minha irmã pelo que a opinião aqui partilhada é totalmente sua...
Ao contrário da minha irmã, que parece que "come" batom ao pequeno-almoço*, eu só o uso quando o caso é grave. Daí sempre optar por batons de farmácia e que sei que são de qualidade.
No entanto, um belo dia ao ver o catálogo da Yves Rocher deparei-me com este batom que tinha todo o "aspeto" de ser bom. Era hidratante, tinha uma boa relação preço/quantidade e decidi experimentá-lo.
E o que tenho a dizer sobre ele?
Maldita a hora em que o comprei!!!
De facto, este é mais um produto da Yves Rocher que eu não recomendo. Pode até não parecer mas eu gosto muito da marca e há produtos que adoro e gosto imenso da politica verde deles, mas não tenho tido grande sorte nas últimas experimentações!!
Sobre o batom em si tenho a dizer que dura pouquíssimo nos lábios, se fizer muito frio então desaparece em minutos (mesmo os lábios estando em bom estado). Neste caso, para sentirmos que funciona temos de "comer" batom a cada 10 minutos. O que faz com que não dure muito tempo. Para conseguirmos alguma hidratação é preciso colocar mesmo muita quantidade.
Mas como nem tudo é mau, é um batom invisível e quando colocamos muita quantidade chega mesmo a dar um aspeto glossy aos lábios.
 
 
*Para que conste, eu não como batom ao pequeno-almoço. Apenas tenho lábios muito secos e que secam com muita facilidade e extrema rapidez. Logo, tenho que estar constantemente a reaplicar o dito cujo!

janeiro 23, 2017

Opinião | Hidratante de rosto de marmelo [Bioten]


 
 
A hidratação do rosto é fundamental para uma pele saudável. Nomeadamente no inverno. Quando o tempo frio nos prega partidas e a pele tem uma maior tendência a mostrar sinais de desidratação. A minha pele do rosto é mista. Mas não menos necessitada de hidratação que os restantes tipos de pele. Quando trouxe este hidratante comigo. Num banal dia de compras. Confesso que tinha algum receio dos resultados que teria na minha pele. Não por ser uma marca de supermercado. Não sou nada preconceituosa relativamente a esse aspeto. Penso que se deveu mais ao facto de já ter usado produtos da marca e não ter ficado particularmente satisfeita com o resultado. De qualquer forma, cada produto é um produto. E este apenas veio mostrar-me que não devemos julgar o todo pela parte...
  • É um produto bastante acessível e que se encontra facilmente disponível em promoção em hipermercado.
  • Dura imenso tempo.
  • A embalagem permite que o produto se use na sua totalidade.
  • A embalagem não permite que haja um retirar higiénico do produto visto que não vem dotada de nenhuma espátula para o efeito.
  • A pele fica hidratada sem pesar e muito suave ao toque.
  • As imperfeições da pele tendem a desaparecer mais rapidamente.
  • Não matifica a pele, pelo que se nota que esta respira não causando o entupimento dos poros.
  • Não controla a oleosidade, mas também não a incrementa, o que para mim é um aspeto bastante positivo.
  • Tem um aroma bastante suave.

janeiro 21, 2017

Beleza | Desafio Beleza Sem Desperdício

Até há alguns anos atrás, a minha rotina de beleza era enorme e o armário do wc estava constantemente repleto de produtos de beleza (gel de banho, hidratantes de corpo, pés e mãos, champôs...). E apesar de usar muitos produtos diariamente. Bem vistas as coisas, apenas usava uma pequena percentagem de produtos, comparado com os que tinha sempre guardados no armário. Produtos esses que comprava por impulso. Porque tinha muita curiosidade em experimentar. Porque se encontravam em promoção... O resultado foi um enorme rombo no orçamento e em energia. A verdade é que sempre que parava para olhar para o armário cheio de produtos a ansiedade instalava-se. Isto porque apesar de ir gastando os produtos. Como não parava de os comprar. Cada vez havia mais produtos para gastar.
Com a decisão de aderir ao minimalismo. A minha rotina de beleza sofreu uma mudança radical. Arrisco-me até a dizer que foi o excesso de produtos de beleza que me levou a interessar por esta corrente de pensamento. Talvez por ter começado a prestar mais e melhor atenção ao que  e quanto comprava. Porque comprava. E como se enquadrava na minha rotina de beleza.
E é com grande orgulho que afirmo. Que hoje são muito menos os produtos que compõem a minha rotina de beleza. Isto porque tenho vindo a trabalhar para criar uma rotina de beleza mais simples, rápida e eficaz, mas também mais personalizada e em sintonia com o meu estilo de vida.
Durante o ano passado decidi começar a guardar as embalagens dos produtos que iam terminando cá por casa de forma a compreender quais as alterações necessárias para melhorar a minha rotina de beleza. Comecei por terminar tudo o que tinha antes de ir a correr comprar novos produtos.
Mas, como não há bela sem senão. Continuei a ter uma grande dificuldade em controlar as compras por impulso. Cortesia da minha paixão por testar tudo o que é produto de beleza. E era ver produtos a entrar para o armário com a frequência não desejada...
 
Pelo que este ano decidi dar mais um passo no sentido de simplificar a minha rotina de beleza...
E assim surgiu o Desafio Beleza Sem Desperdício. O propósito deste desafio é simplificar e criar uma beleza de rotina de beleza funcional e personalizada às minhas necessidades e objetivos.. A minha rotina de beleza inclui o rosto, o corpo e o cabelo. Uma vez que a minha rotina de rosto já me satisfaz. Este desafio terá uma maior incidência nos cuidados de corpo e cabelo. Se bem que, se durante o desafio sentir essa necessidade,  farei os devidos ajustes também na rotina de rosto.
 
Para que o desafio corra como esperado estou a seguir 5 passos essenciais:
1. Analisar as minhas necessidades. Aqui, o objetivo é simples. Escrever uma lista com todos os produtos que uso diária e semanalmente de forma a perceber quais uso por necessidade e quais uso por vaidade. E, orgulhosamente cheguei à conclusão que apenas uso um produto por vaidade. O perfume. Os restantes uso por necessidade mesmo. São eles:
 
 
 
 
2. Definir as características dos produtos que uso. Depois de criar a lista de produtos que suprem as minhas necessidades defini as características exatas que cada um deles deve possuir para que funcionem comigo. Todas têm em consideração o meu tipo de pele e cabelo.
 
 
 
 
 
 
3. Analisar os produtos que tenho. Após definir criteriosamente quais as características a privilegiar em cada produto. Analisei quais os produtos que preenchiam os requisitos. Sendo que os que não preenchem totalmente os requisitos são os primeiros a serem gastos a fim de não voltarem a fazer parte da minha rotina. A não ser que que surja uma real necessidade. Eis os produtos que estão "parados" há meses no armário do wc. E as (muitas!) amostras que, volta e meia, se recebem...
 
 
4. Investir de forma consciente. No momento em que se mostrar imperativo adquirir um novo produto o objetivo é investir em produtos com a melhor qualidade que o meu orçamento possa pagar. E sempre que o orçamento for limitado terei que estabelecer prioridades:
  • Optar por produtos que correspondam 100% aos requisitos pré-estabelecidos.
  • Optar por produtos que realmente necessite.
 
5. Reduzir efetivamente a quantidade de produtos.  Até aqui, o objetivo foi otimizar a minha rotina de beleza, sendo que pouco fiz para realmente reduzir a quantidade de produtos que dela fazem parte. Isto porque o objetivo é criar uma rotina de beleza funcional que terá um maior impacto na minha rotina diária. Ao invés de somente ambicionar conseguir usar poucos produtos de beleza. Outro motivo porque é importante começar por criar uma rotina funcional antes de reduzir a quantidade de produtos que uso é porque torna o processo muito mais simples. Após estabelecer a rotina terei uma maior confiança para me livrar do que está a mais.
 
Como qualquer desafio a que me proponha. Este não será fácil. Nada fácil. Mas apesar de ainda agora ter começado. Já me está a dar um gozo tremendo.
E por aí, mantêm uma rotina de beleza simples e funcional?
Ou também há mudanças que queiram fazer?
Aceitam o meu desafio? ;)

janeiro 20, 2017

Consumo | Como decidir o que comprar quando o orçamento é reduzido

 
 
 
A decisão de criar um bom guarda-roupa prende-se com a vontade de apenas ter no armário peças com as quais se identifique e que sejam um reflexo do seu estilo pessoal e personalidade. No entanto, nem sempre o orçamento permite fazer tal investimento. Uma boa estratégia para contornar essa situação é criar um coordenado que reúna peças que  tenham um grande impacto na sua imagem e que consiga conjugar com as restantes peças do seu guarda-roupa. Escolha criteriosamente cada peça. Cada uma deverá aumentar a sua confiança no seu estilo pessoal, ao mesmo tempo que lhe permitirá ganhar tempo para criar um bom orçamento a fim de incrementar o seu guarda-roupa de forma duradoura.
Eis algumas dicas que a podem ajudar:
 
1. Analisar o seu estilo de vida.
  • Faça uma lista das suas atividades diárias (trabalho, ginásio, lazer...).
  • Analise a sua agenda de forma a  perceber  a frequência com que recorre a determinado coordenado.
2. Esboce o seu guarda-roupa ideal. As peças em que vai investir numa primeira instância fazem parte de um todo para o qual está a trabalhar: o seu guarda-roupa ideal.
 
3. Escolha peças versáteis que acrescentem valor à sua imagem.
  • Opte por peças que personifiquem o seu objetivo final.
  • Opte por peças que lhe transmitam confiança para desempenhar as tarefas mais difíceis do seu dia-a-dia.
  • Opte por peças que possam ser conjugadas de diferentes formas num curto período de tempo de forma a mostrar a sua versatilidade.
  • Opte por peças nem muito básicas nem muito tendência. As peças muito básicas nem sempre causam impacto suficiente e as peças tendência nem sempre permitem mostrar versatilidade.
4. Procure a melhor qualidade que o seu orçamento permite pagar.
  • Lembre-se que, nem sempre, o preço é indicativo de qualidade ou falta dela. Logo, é importante compreender as diferentes caracterísitcas de cada peça (material, corte...)
  • Se procura peças simples e sem grande estrutura, uma boa opção será procurar em lojas Outlet das suas marcas favoritas. O mesmo se aplica a peças que à partida pedem um maior investimento.
5. Continue a incrementar o seu guarda-roupa ao seu ritmo. O mais difícil já está feito: começar. Agora é continuar a trabalhar até chegar ao resultado que pretende. A periodicidade com que fará novas aquisições não é o mais importante. O mais importante é que apenas acrescente peças de boa durabilidade e qualidade.

Valorização Pessoal | 3 Dicas para se manter motivada durante o processo de desenvolvimento pessoal

O desenvolvimento pessoal e a aprendizagem são fundamentais para viver em pleno o seu dia-a-dia. Permitem-nos relaxar, abrir horizontes e sair da nossa zona de conforto. E são algumas as práticas que nos permitem manter motivadas durante este processo de aprendizagem:
 
1. Não se obrigue a aprender algo que não a entusiasme. O aspeto mais importante para uma boa aprendizagem é escolher aprender algo que a entusiasme. Não vale, de todo, a pena dedicar qualquer esforço para aprender algo que não lhe interesse particularmente. O seu tempo e energia são limitados, logo deve certificar-se que os investe em aprendizagens  que lhe acrescentem valor e a entusiasmem.
Há muito que tenho vindo a trabalhar para me tornar uma melhor pessoa. Não pretendo ser perfeita. Somente quero mudar/melhorar algumas características que não gosto particularmente em mim. E, querendo ou não, é tudo uma questão de aprendizagem. Aprender a pensar em mim primeiro. Aprender a não me preocupar com o que os outros pensam e dizem. Aprender a valorizar realmente as pequenas coisas. Aprender a praticar a gratidão diariamente. E confesso que são mudanças que me entusiasmam de tal forma que acredito que só por isso a aprendizagem será um processo bastante recompensador.
 
2. Qualquer momento conta. Se o seu horário é muito apertado, a verdade é que nem sempre é o tempo que conta, mas a dedicação com que decide aprender algo. Logo, não deve deixar o seu horário apertado impedi-la de aprender algo. Se tem real vontade de o fazer, o tempo não será desculpa. O truque é usar cada momento que dedica à aprendizagem o melhor possível. Dedique-lhe a atenção, esforço e energia necessários para que cada aprendizagem seja bem sucedida.
Há muito que tenho vindo a esforçar-me por mudar a minha mentalidade relativamente a diversos aspetos. E, a verdade, é que tem sido um processo longo e difícil. Porque não é fácil mudar a mentalidade. Porque volta e meia existem contratempos que nos levam a ter que parar e, por vezes, dar um passo atrás para poder avançar. No entanto, se pensar racionalmente sobre isso. A verdade é que não me tenho esforçado realmente para que essa aprendizagem/mudança aconteça. A decisão de aderir ao minimalismo trouxe-me essa realização. Identifico-me bastante com as suas premissas. Como nunca me identifiquei com qualquer outra corrente de pensamento. E, se ao inicio me dedicava a colocar em prática tudo o que ia aprendendo. Com o tempo fui procrastinando e fui-me convencendo que não tinha tempo para "perder" com essa mudança. Não poderia estar mais enganada. E se quero realmente aderir a esta corrente tenho que aproveitar cada momento livre para fazer algo que me leve onde pretendo. Foi essa mudança que introduzi na minha rotina diária esta semana. O primeiro passo é reler os livros e a informação que me levaram a querer aderir a esta corrente. Em seguida só tenho que me disciplinar para diariamente fazer algo para que essa mudança realmente aconteça. Até chegar onde pretendo.
 
3. Tenha um propósito. Mesmo que a aprendizagem a que se está a dedicar no momento seja apenas por diversão é importante ter um propósito em mente. Uma finalidade para a qual está a passar por essa aprendizagem. Ter um propósito para qualquer aprendizagem deve ajudá-la a manter-se motivada ao longo do processo.
O meu propósito em mudar de mentalidade e aderir ao minimalismo é viver uma vida com mais intenção. Para tal, tenho que me aceitar realmente como sou. Livrar-me do que e quem não me acrescenta valor. É difícil. São muitas as emoções com que se tem de lidar. São muitas as decisões a tomar. E, mais uma vez, pensando racionalmente sobre isso. A verdade é que não tenho sido real, honesta e sincera comigo mesmo. Continuo a colocar os outros em primeiro lugar. E a preocupar-me com o que pensam e dizem sobre mim. Continuo a ter demasiado, apesar de já não ter assim tanta coisa. Continuo a não encontrar alegria em tudo o que me rodeia. E é precisamente nisso que preciso trabalhar. É mesmo um processo longo e duro. Exige muita força de vontade. Se bem que, se parar para pensar no propósito desta aprendizagem. Vale a pena. Vale muito a pena. E se amanhã quero ser melhor. O dia de hoje conta. É só primeiro dia...
 

janeiro 19, 2017

A B C do Estilo | Como construir uma boa base de peças essenciais

 
 
 
São inúmeras as listas de essenciais, básicos e "must haves" de estilo que existem. No entanto, há que ter em consideração o seguinte: em vez de nos preocuparmos cem seguir à risca cada uma das listas devemos, isso sim, ter a preocupação de descobrir quais os básicos que melhor se adequam ao nosso estilo pessoal.
As peças básicas são, no fundo, um conjunto de peças que tornam a base do nosso estilo pessoal. São peças que por serem o melhor reflexo do seu estilo pessoal são fundamentais nos seus coordenados. Podemos até dizer que, para conseguir um bom guarda-roupa, é importante possuir peças básicas e peças-chave. Estas devem receber  a mesma atenção da sua parte. As peças-chave têm como funcionalidade serem o conjunto de peças que formam a maior parte dos seus coordenados. São as peças mais importantes do seu guarda-roupa, apesar de não acrescentarem versatilidade, ao expressarem a essência básica do seu estilo perfeição. As peças básicas têm como função incrementar o seu guarda-roupa de versatilidade ao complementar na perfeição os seus coordenados e providenciar uma tela branca para as suas peças-chave. Permitem, no fundo, destacar as peças-chave na totalidade ou apenas uma característica destas. 
As peças-chave e as peças básicas são o equivalente às suas cores principais e cores neutras da sua paleta cromática. Por outras palavras, as suas peças-chave e cores principais são os tijolos do seu guarda-roupa, enquanto as peças básicas e cores neutras são o cimento que os une. Logo, uma estratégia que nunca falha na construção de um bom guarda-roupa, é permitir à sua paleta cromática determinar as cores das suas peças-chave (cores principais) e peças básicas (cores neutras). Este esquema não tem que ser estanque, apesar de ser a melhor forma de  representar a sua paleta cromática sem descurar o seu estilo pessoal.
 
Como escolher as suas peças-chave e peças básicas?
A fim de criar uma base sólida de peças-chave para o seu guarda-roupa deve ambicionar ter uma peça por categoria numa distribuição igualitária das suas cores principais. Cada peça deve ser o reflexo do seu estilo pessoal, assentar na perfeição, ter uma boa durabilidade e ser de boa qualidade. Desta forma potenciará a versatilidade do seu guarda-roupa. O mesmo acontece com as peças básicas, sendo que a estas não é exigido tanto detalhe, visto que se valoriza um corte mais simples e menos estruturado de forma a dar ênfase às suas peças-chave.
Criar uma lista de peças básicas e peças-chave pode ser benéfico:
  • Ajuda a condensar o lado estético e funcional das necessidades do seu guarda-roupa num número restrito de peças que a ajudarão a clarificar o seu estilo pessoal e a estrutura do seu guarda-roupa.
  • Ajuda a estabelecer prioridades, uma vez que conhece aquelas que são, para si, as peças básicas, pode focar-se em encontrar forma de as versatilizar.
A sua lista de peças básicas deriva do seu estilo pessoal e da forma como gere o seu guarda-roupa. Logo, para que a sua lista de básicos funcione é importante que tenha em consideração dois aspetos muitos importantes: a sua paleta cromática e o seu coordenado de eleição (conjugação de peças a que recorre com maior frequência). É um facto que um bom guarda-roupa não vive apenas de peças-chave e peças básicas. No entanto, estas são um excelente ponto de partida para construir coordenados que reflitam o seu estilo pessoal.

janeiro 18, 2017

A B C do Estilo | Guia Completo para criar um Armário Cápsula [O meu exemplo]

Por definição, armário cápsula é uma seleção criteriosa de peças de roupa que refletem o seu estilo pessoal e objetivos de vida e que lhe permitam apresentar-se bem em qualquer ocasião. Existem diversos significados para este conceito, nomeadamente, no que ao número de peças diz respeito. Criar um bom armário cápsula requer que tenha em consideração a estética e a funcionalidade de cada peça. No entanto, em vez de querer incorporar ambas características em cada uma das peças obrigatoriamente, uma boa estratégia é considerar as suas escolhas alternando entre o lado estético e a funcionalidade da peça de forma a simplificar o processo.
Há muito que ambiciono criar um novo guarda-roupa. De raiz. Que seja o real reflexo da minha personalidade. Após várias tentativas e erros. E após decidir aderir à corrente minimalista. Aderir ao conceito de armário cápsula era o próximo passo. Não que seja obrigatório na corrente minimalista. Simplesmente me dei conta que o que há tanto ambicionava era precisamente isto. Assim sendo, decidi colocar em prática as dicas e informação que vou partilhando. E, de uma vez por todas, criar o Meu Armário Cápsula. Como tudo na vida, é um processo. Que, já sei, será longo. Mas não tenho pressa. Sobretudo porque me dei conta que finalmente encontrei o que procurava. No que ao meu estilo ao diz respeito. E porque o orçamento, além de ser reduzido. Não servirá para qualquer compra de impulso. Cada nova aquisição será muito bem pensada e planeada. Ensinamento retirado da corrente minimalista. A verdade é que me dei conta que, sinceramente, não tenho paciência para estar sempre a comprar. Prefiro, sem sombra de dúvida, investir em boas peças. Nem que isso implique que o armário cápsula demore muito tempo a ser criado. O objetivo é apenas ter o que me traz alegria no meu guarda-roupa. O que não se coadunar com o meu estilo pessoal não terá aqui lugar. Mas vamos ao que interessa. O passo-a-passo que segui para criar o meu armário cápsula:
 
1º Passo: Definição do conceito
É a melhor parte do processo. É um passo fundamental e obrigatório para a construção do meu armário cápsula ideal: a definição do meu estilo pessoal. Só assim a minha imagem será  o reflexo verdadeiro da minha personalidade, estilo e objetivos de vida. Após definir o meu estilo pessoal (é uma mistura dos estilos clássico, urbano e romântico) e a minha paleta cromática, foi importante fazer uma lista de todos os elementos que farão parte do meu armário cápsula. E aqui fui realmente específica. Ainda que a lista apenas faça sentido só para mim.
Seguidamente, foi  importante ter presente qual é a conjugação de peças à qual recorro com maior frequência.  Qual é a minha zona de conforto. Ela foi uma preciosa ajuda na hora de delimitar o número de peças do meu armário cápsula, até porque serão as que existem em maior número no meu guarda-roupa. As que usarei com maior frequência e que exigem um maior grau de versatilidade entre si.
O meu coordenado de eleição é: Jeans + camisola básica + malha + calçado. A base é sempre a mesma. Seja qual for a estação. Quanto muito muda o material da camisola (algodão, poliéster...);  o comprimento da manga (curta, 3/4 ou comprida) e o calçado (botas, sabrinas, ténis ou sandálias).
 
2º Passo: Definir a estrutura do armário cápsula
De forma a traduzir o meu conceito para um armário cápsula funcional foi importante fazer uma estimativa do número de peças que farão parte do meu armário cápsula. Esta tarefa será uma preciosa ajuda na hora de assimilar o número de peças que realmente necessito na minha vida. O conceito de armário cápsula não é estanque. O objetivo é que, com o passar do tempo, se consiga saber exatamente as peças de roupa que faz sentido manter no guarda-roupa. Confesso que também não sou muito adepta da criação de um armário cápsula especifico para cada estação. Mas respeito quem o faz. Para mim, por enquanto não faz sentido. O objetivo é construir um armário que se adapte a qualquer estação/ocasião. Pelo que vou:
  • Partir do meu coordenado de eleição e incluir na lista as diferentes versões de cada peça por forma a potencializar ao máximo cada uma ao criar variados coordenados usando a mesma conjugação de peças de diferentes formas.
  • Distribuir as prioridades no que respeita às peças que vou comprar de forma inversamente proporcional à importância que cada peça tem no meu guarda-roupa. Peças que são de uso recorrente estarão em maior número que peças de uso ocasional.
  • Considerar os cuidados de manutenção que cada peça requer de forma a conseguir ter sempre as peças de uso recorrente em boas condições de utilização.
 
3º Passo: Esboçar o armário cápsula
Agora que tenho definida a estrutura do meu armário cápsula. É chegada a altura de compreender quais são as peças que se encontram presentemente no meu guarda-roupa e que preenchem os requisitos estabelecidos. E aqui é importante ir analisando cada categoria de peças  tendo em consideração a sua cor, corte, material e funcionalidade de forma a perceber quais as falhas a colmatar tendo em consideração a lista de peças criada. O resultado foi:
 
 
Blazers
Tops/T-shirts
Jeans
Blusas
Malhas
Camisas
Calções
Casacos
Calçado
Preto
Branco
Ganga média
Branco
Azul claro
Branco
Ganga média
Ganga média
All Star branco
Cinzento
Cinzento
Ganga clara
Preto
Azul marinho
Ganga
Azul marinho
Preto fazenda
Sabrinas padrão cobra
Azul marinho
Padrão navy
Cinzento
 
Rosa fúchsia
Risca azul clara
Preto
Cinzento fazenda
Stan Smith rosa
 
Padrão floral
 
 
Gola alta branca
 
Cinzento
Capa preta fazenda
Merrell cinzento
 
 
 
 
Gola alta cinzenta
 
Branco
Blusão primavera camel
Botins castanho
 
 
 
 
Gola alta preta
 
 
 
 








Esta é então a minha lista de compras para os próximos tempos. Agora é uma questão de consoante o orçamento e a disponibilização das peças pelas minhas marcas de eleição ir adquirindo cada um dos itens até riscar o último. O objetivo é comprar todos os itens da lista. Pelo que não sei prever o tempo que vou demorar até terminar a lista. O que sei é que, com toda a certeza, esta é a minha lista de compras. E, futuramente, este será o meu armário cápsula. Foi e continuará a ser um processo longo. Mas, finalmente, posso afirmar com toda a certeza que, agora sim, estou no caminho certo.
 
 
 

janeiro 17, 2017

A B C do Estilo | Como afinar a silhueta durante a gravidez

 

 

 

 

 
  • Use looks monocromáticos.
  • Use peças com decote em V a fim de alongar o pescoço e a silhueta.
  • Use vestidos envelope e/ou evasé.
  • Use calçado tom de pele a fim de alongar a silhueta.
  • Use peças sobrepostas, sendo que a última deve ser usada aberta para criar a ilusão de uma silhueta mais esguia.

janeiro 16, 2017

A B C do Estilo | 3 dicas para modernizar a sua imagem profissional


 

 


 
1. Mix and Match
A regra a seguir na hora de misturar padrões é ter uma cor base. Logo, ao misturar peças de roupa com diferentes padrões mas com uma cor em comum. No ambiente profissional opte por padrões pequenos. São mais discretos e elegantes.
 
 

 

 
 
2. Peças de comprimento midi
Peças com este comprimento revelam que está atenta às tendências . Além de terem como benefício, o facto de disfarçar o volume (ou falta dele!) nas pernas. São peças que realçam o lado feminino do coordenado. Se pretender criar a ilusão de uma perna mais longa, opte por coordenar estas peças com sapatos de salto alto de biqueira bicuda em tom de pele.
 
 

 

 
 
3. Sapatos
Faça do seu calçado o centro do seu coordenado. Opte por cores e padrões diferentes e originais, como estratégia para mostrar a sua personalidade no ambiente profissional. Os sapatos ajudam a complementar qualquer coordenado, logo não devem ser descurados.